Consulte o Taverneiro

domingo, 19 de dezembro de 2010

Lendas da Taberna:Calisto Castlevania

Hoje,vou começar uma série de posts com o título "Lendas da Taberna".Neles serão postados aventuras minhas e de vocês.Leiam mais pra saber mais sobre a série.
Nesta série de posts vocês podem me mandar suas aventuras para torganus@hotmail.com que elas serão postadas aqui,e os créditos serão dados ao autor.

Esta primeira aventura aconteceu dia 18/12/2010,usando o sistema Calisto no cenário de Castlevania!

Abaraji é um Monge de Kioto que passava pelo local,Abaraji é um monge que usa um sobretudo azul escuro com um capuz que sempre fica em tua cabeça não mostrando teu cabelo.Ninguém sabe tua história,apenas se sabe que ele tem uma esgrima cujo a lâmina está escrito "Abaraji".
O dia estava escuro e Abaraji andava por uma estrada de terra quando em sua cabeça se forma um portal negro,Abaraji sai correndo mas foi puxado para portal e fica inconsciente.

Abaraji acorda em um pequeno salão com uma porta de metal a sua frente,o monge se levanta e abre a porta,mas antes de abrir totalmente a porta,um esqueleto com um manto negro,uma bandana branca e uma foice aparece no local.
-Olá senhor esqueleto,o senhor sabe onde estou?Disse Abaraji se aproximando do esqueleto
-É sempre bom ser tratado educadamente,não acha?Por favor não me chame de esqueleto,me chame por Morte,que é meu nome.
Abaraji se apróxima mais e diz:Senhor Morte,o senhor sabe onde estou?
A Morte ri na cara,o som da risada maléfica da morte intimida o monge e a morte continua a dizer:
-Entra no castelo de meu senhor e não sabe onde está?Mortal,você está no Castlevania,e só porque você foi educado eu vou perguntar.Você quer ser morto por mim e sua eneriga vital se unir a meu senhor ou...
-Ou?Diz Abaraji arrependido por perguntar
-Me derrote e a meu senhor Drácula e ganhe a liberdade novamente.
Abaraji se aproxima mais da Morte e diz:
-Se me unisse a vocês,o que eu seria?
-Não posso mentir,você seria apenas uma gota de sangue,mas pelo menos não enfrentará minha fúria nem a de meu senhor.
-Eu já me decidi,mas falarei apenas com teu senhor.
A Morte ri novamente e deixa bem claro:
-Você se decidiu,mas você terá que encontrar meu mestre sozinho pelo Castlevania...
Depois disso a morte some no ar.

Abaraji ficou pensando se o que fez foi o melhor a se fazer.Abre a porta e encontra meia dúzia de de esqueletos cambaleando em sua direção.O monge avança,mas os quatro esqueletos o surpreendem atacando-o,tentado o morder,três esqueletos avançam no longo e largo corredor,o monge gira e desvia do ataque mais o quarto esqueleto o morde antes dele terminar seu giro.

O Monge,afasta o esqueleto com um empurrão e o acerta com um chute que quebra o esqueleto.Dois dos esqueletos que Abaraji havia escapado ataca-o mas ele agacha desviando dos golpes,mas um terceiro esqueleto dá um salto e cai no braço de Abaraji,deixando seu dente no braço do Monge.

Abaraji se levanta e acerta o esqueleto com um soco,o monge sentiu sua mão quebrando os ossos do esqueleto,mas não o derrotando.Abaraji corre pra sala anterior e lá espera os esqueletos para fazer uma armadilha.

Mas os esqueletos ficam parados no corredor como se nunca pudessem sair de lá,então o monge tenta camuflar na parede com seu manto,mas os esqueletos o percebem e o atacam.Abaraji sai correndo para o fim do longo corredor e passou de todos os esquletos sem dificuldade,menos de um.

Abaraji sai correndo passando como um trem de ferro,ele passa pelo último esqueleto,mas o esqueleto agarra o monge com seu braço,o monge continua correndo,para chegar ao fim do corredor.O monge ouve um "crac",mas o braço ainda está o segurando.Quando chega ao fim do corredor percebe que o braço do esqueleto estava partido e agarrado em teu braço.Ele retira o braço e percebe a sua frente uma porta.

O Monge encontra um salão muita grande,uma coisa nobre.O chão é coberto por um fino carpete e a sala é iluminada por lamparinas e pelas luzes que entram das grandes janelas da parede.O salão tem 3 sofás fazendo um círculo,há algumas plantas,um ármario e uma lareira no canto do lado de uma capela.No fim do salão há um corredor.

Abaraji vai ao altar e reza por alguns minutos,sentindo-se recuperado.Abaraji não ousa se deitar no sofá,então se levanta e diz pra ele mesmo:
-Primeiro vampiro que vejo que tem uma capela.
Uma voz amigável sai da escuridão dizendo.
-Realmente amigo,ele é muito brincalhão.
Abaraji se assusta,mas continua dizendo:
-Concerteza amigo.
O homem sai da escuridão,ele usa um fraque vermelho,homem de meia-idade loiro com bigode,usa luvas e cartola.
-Meu nome é Saint Germain,sou um viajante.
-Meu nome é Abaraji,Irukutsu Abaraji ou Monge Abaraji.
-Sabe Abaraji,o senhor deste castelo é uma pessoa estranha.Se é que ele pode ser chamado de pessoa.
-Mas me disseram que ele era vampiro?Disse Abaraji confuso
-Sim,o maior dos vampiros.O senhor não sabe das hordas de mortos-vivos que devastam vários pontos da europa?Não sabe que ele vai destruir esta terra,monge?
-Me desculpe,sou de Kioto.E estou apenas de passagem.
-Ha!Bela Kioto!Adoro o Sushi de lá!Mas,pense comigo meu amigo.Uma vez a europa dominada,quanto tempo Drácula não iria voltar seus olhos para o oriente?
-Sim,mas Monges,ninja e samurais já se preparam para enfrenta-ló.Mas por enquanto não somos inimigos.
-Bem...Você está no quartel general dele...
-Eu não queria estar aqui senhor Saint Germain.
-O futuro é um labirinto para quem não sabe o que quer.
-Saint Germain,poderia me ajudar a sair deste local?
-Por deus jovem!Achei que nunca iria perguntar!O único modo de sair daqui é com morte,sua ou de Drácula.Além do mais,pense em todas vidas que salvará,no final das contas você é um monge,ou não é?
-Ha sim,claro que sou.Vamos matar este drácula.
Saint Germain esfraga sua mãos enquanto ri .
-Mas antes monge,tenho que resolver alguns problemas.
Saint Germain anda e some em uma luz que se apaga.

Abaraji fica pensando em tudo o que aconteceu nestes minutos,foi trazido a um castelo de vampiro,conversou com a morte,foi mordido por esqueletos,rezou no altar de um vampiro,encontrou um estranho homem que sumiu do nada.

Mas antes de Abaraji ter alguma reação um homem de aproximadamente 2 metros aparece em sua frente com um machado na mão grunhando.

Ele levanta seu machado,não deixando a luz das janelas entrar no local.Mas antes que Abaraji fizesse qualquer coisa o machado desceu cortando o ar,o monge girou seu pé para o lado esquerdo pulando para o altar,mas o machado faz um grande corte no seu pé esquerdo.

De pé no altar o monge grita:
-Por Shenlong!

O monstro se aproximou e levantou teu machado novamente mas o monge deu um salto com o pé esquerdo se esforçando ao máximo para ficar de pé,e com o pé direito acertou o queixo do monstro que grunhiu e deu alguns passos para trás.

O monge junta as duas mãos e uma energia mágica verde começa a formar uma pequena bola de energia,o monstro se levanta e corre na diração do monge.Abaraji despara a bola de energia no peito da criatura,que grunha de dor lança seu machado na direção do monge,o machado faz um grande ferimento na coxa do monge.

Abaraji chega perto da criatura,o monstro desarmado tenta socar Abaraji,mas girando o Monge desvia dos golpes.Abaraji levanta sua perna na altura do pescoço do monstro que cai grunhindo de dor.O monstro no chão para de grunhir e o monge percebe que é um Zumbi Bárbaro,e que eles explodem pela grande fúria em seu corpo.

Por sorte o monge não se machucou com a explosão do zumbi.O Monge,cansado com tudo o que ocorreu se senta no altar e dormi por alguns minutos.Quando acorda percebe que sua esgrima foi roubada.O monge entrou em fúria,mas logo se lembrou das palavras de seu mestre:
"O guerreiro que ataca cm fúria no coração esqueceu a face deu pai,esqueceu o que é honra."

Abaraji se acalmou e seguiu o corredor,ele viu que no fim do corredor,ele se divide em dois,um caminho iluminado,outro escuro.

O monge disse:"Nem sempre o caminho com pouca iluminação é o caminho das trevas."

Ele seguiu o corredor passando sua mão no chão.Depois de muito andar avistou um jardim.

O jardim tinha muitas árvores,sem nenhuma ordem,o chão não tinha gramado,o jardim era cercado por grandes paredes de pedra.Quando o monge entrou no jardim começou a trovejar.Um raio caiu na grande parede.

Abaraji percebeu que algo estava mechendo na sua direção.Ele atirou uma bola de energia e a energia explodiu como se estivesse colidido com a grande parede,o Monge então foi sair do jardim,quando uma grade de ferro desce deixando o Monge preso no Jardim.

Abaraji se sente puxado e cai sentado no chão e percebe que plantas se mexem prendendo-o.Ele tenta pular para se livrar das plantas,mas é puxado por uma força maior ainda e cai deitado no chão.Percebe então que sai um cão do meio das árvores,mas um cão de pedra!

As plantas o jogam para frente,ficando sentado cara-a-cara com um cão de pedra.O cão olhou bem o monge e o começou a lamber,depois de muito lamber o monge o cão foi para o local onde o raio caiu.Abaraji se sente puxado novamente.

Com muita força o monge fica de pé,o monge tenta saltar mais é puxado novamente,mas antes cair totalmente Abaraji coloca seu joelho no chão fazendo ele ficar de quatro,o monge utiliza toda sua força e se liberta da "corrente ecológica".

Abaraji vai até o portão e com seu ombro tenta derrubar a grade,mas a única coisa que ele faz e balançar a grade.Então Abaraji chuta o portão,não consegue abrir o portão,e ainda quando chutou a grade se desequilibrou e caiu no chão.

O monge então decide subirem uma árvore e procurar por outra saída.Mas não acha nada.Então,desce da árvore e vai até o local onde o raio caiu(e o mesmo local do "cachorrinho").

Lá avistou uma terra negra e um buraco no chão,e o "cachorrinho" do lado.O monge pega um galho de uma das árvores e acorda o cão.O cão rosna e não parece gostar.O monge andou 3 passos na direção da grade e lançou o galho no cão e sai correndo na direção da grade com o cachorrinho atrás.

O Monge corre em grande velocidade,mas o cão estava quase alcançando-o quando escorrega na lama e rola.O monge utiliza toda sua força e corre duas vezes mais rápido,e o cão apenas um pouco mais rápido.

Abaraji chega na grade vira na direção do cão.O cachorrinho chegou com uma investida nas pernas do monge,mas o Monge abriu as pernas na hora e deu um salto saindo da lhi e subindo em uma árvore e se escondendo.

O cão havia quebrado a grade,o tanto necessário pra uma criança passar ou um adulto agachado.O cão não achou o monge e foi repousar novamente.Abaraji desçe da árvore e agachado passa por de baixo da grade.

Continua a correr no escuro corredor,até avistar o corredor iluminado por tochas presas em argolas de metal.O monge pega uma das tochas,vai até a porta e...VEJA NO PRÓXIMO CAPÍTULO DE "CALISTO CASTLEVANIA"
Bom,aqui terminamos o primeiro capítulo de Calisto Castlevania.E se você quiser sua história publicada na Taverna do Anão mande a história para Torganus@hotmail.com.




 

Um comentário:

  1. Oi amigo, bom conhecer seu blog. Gostei.

    Um grande abraço,
    Átila Siqueira.

    ResponderExcluir